Xavier ZARCO

 

Seis Poemas 

de 

“O Ciclo do Viandante”

 


 

 

1.

 

o mestre

disse:

 

dar-te-ei

a matéria

 

estas palavras

 

não o acto

de criar

   

 

2.

 

há algo

aqui

 

na epiderme

dos sonhos

 

que clama

 

que te invoca

para a viagem

 

um longínquo ouro

que brilha

no centro da alma

 

no ventre

do olhar aberto

 

desperto

ao espanto

   

3.

 

o corpo

como casulo

onde a larva

 

aprende

 

o desejo

das asas

 

   

4.

 

o aprendiz

repousa

 

a secreta

cartografia

das mãos

arde

intensa

indicando

o caminho

 

a empresa

da criação

   

5.

 

observa

a espiral

 

o movimento

eterno

 

a indagação

do íntimo

centro

 

exposto

 

à suprema

luz

 

observa

como os sentidos

se incendeiam

ao tocar

a face

 

do próprio ser

   

6.

 

o que procuras

 

não é mais

que um tronco

ou pedra

 

viagem

onde

esculpirás

 

a montanha

de zaratrusta

 

o sol

de ícaro

 

a tua montanha

o teu sol